Síndrome metabólica prejudica função pulmonar e resposta imunológica em idosos, constata estudo

19 de janeiro de 2022

Thais Szegö | Agência FAPESP – Obesidade abdominal, hipertensão arterial, glicemia alterada ou diabetes, taxa de triglicerídeos alta e baixo nível de HDL, o bom colesterol. As pessoas que apresentam três desses fatores sofrem com a chamada síndrome metabólica. Ela tem como base a resistência à ação da insulina, o hormônio que permite a entrada da glicose nas células. Isso significa que a substância age menos nos tecidos, obrigando o pâncreas a produzir uma quantidade maior dela, que vai para a circulação sanguínea.

Esse quadro desencadeia uma leve inflamação no organismo e é gatilho para mudanças estruturais e funcionais de vários órgãos, em especial o coração, o cérebro, os rins e o pâncreas. A ciência já sabe também que ele leva a alterações na função pulmonar e na resposta imunológica e que doenças respiratórias crônicas são mais frequentes em indivíduos com obesidade grave e síndrome metabólica, mas isso ainda não tinha sido bem esclarecido, principalmente em idosos. Por isso, a fisioterapeuta Maysa Alves Rodrigues Brandão Rangelbolsista da FAPESP, dedicou sua tese de doutorado a esse tema.

Para o estudo, uma parceria entre a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Prefeitura Municipal de São José dos Campos, em São Paulo, foram recrutadas mil pessoas em quatro casas de cuidado ao idoso do município. Foram excluídos os que tinham histórico de tabagismo, diagnóstico de doenças respiratórias, degeneração crônica, doenças autoimunes ou neurológicas e que praticavam atividade física regular. O restante foi dividido em dois grupos com 77 participantes cada: um com 26 mulheres e 51 homens com idade média de 68 anos, todos com síndrome metabólica, e o outro com 21 homens e 56 mulheres com idade média de 67 anos sem a doença.

Os voluntários foram submetidos a um exame chamado oscilometria de impulso, um método não invasivo que avalia a mecânica respiratória e possíveis alterações pulmonares por meio de ondas sonoras sobrepostas à respiração normal. A força muscular dos músculos respiratórios também foi avaliada. Eles ainda tiveram seu sangue coletado para analisar fatores como as taxas de colesterol e triglicérides. O soro sanguíneo e o ar condensado – obtido por meio da inspiração e expiração do indivíduo durante 15 minutos no bocal de um aparelho e, em seguida, congelado para análise – foram usados para investigar a presença de citocinas pró-inflamatórias e anti-inflamatórias, bem como fatores antifibróticos e pró-fibróticos (esses últimos levam à destruição progressiva do pulmão, enquanto os primeiros a combatem).

Mais informações, clique aqui.

Post Tagged with , ,

Desenvolvido e mantido pela Disciplina de Telemedicina do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina da USP